Útero Retrovertido

Mas em alguns casos a retroversoflexão poderá se manifestar de forma patológica decorrente de fatores tais como, congestão pélvica vascular por compressão dos vasos sanguíneos do útero, maior suscetibilidade a focos de endometriose , aprisionamento ou encarceramento do útero na pequena pelve no primeiro trimestre de gravidez.

Útero Retrovertido: com um simples exame ginecológico é possível detectar este problema. Aí então começa um pesadelo e, pesquisando na internet você verá muitos relatos sobre a dificuldade de engravidar relacionada ao problema, outros defendem que o Útero Retrovertido não influencia em nada nas chances de engravidar. Afinal, onde está a verdade?
Na maioria das mulheres, o útero se encontra voltado para a região anterior ao corpo (na frente), sobre a bexiga. Mas em algumas mulheres, coisa de 15 a 25 %, o útero está voltado para a região posterior do corpo (retrovertido).

Porém, muitos médicos não consideram essa situação uma anormalidade, mas sim uma característica natural, já que a grande maioria das mulheres não apresenta sintoma algum.

Por mais incrível que pareça, no passado foram realizadas muitas cirurgias desnecessárias tentando colocar e fixar o útero na posição anterior, tudo por culpa das crendices de que, com o útero retrovertido, as chances de engravidar eram mínimas.

Popularmente, o útero retrovertido, é conhecido como útero virado e não requer tratamentos ou cirurgias

Útero retrovertido móvel – Pode acarretar em alguimas dores durante o ato sexual, sem contar nas dores que aparecem antes e depois da mesntruação. Fora isso, não causa problemas.
Útero retrovertido fixo – Esse sim é um tanto problemático, pois pode ocasionar em dores na região pélvica de forma crônica, ou seja, uma dor que não pára, é constante, tanto durante quanto depois do sexo, podendo ter sua dor extendida por horas depois da relação, dor ao urinar, e pode trazer problemas para a gravidez.
Sintomas mais comuns :
–         dor crônica pélvica ou lombo-sacra ( “dor nas cadeiras” )
–         dispareunia profunda – dor que surge no ato sexual referida a pelve, mas que freqüentemente permanece por horas após a relação
–         dismenorréia – cólicas de menstruação intensas
–         proctalgia – dor a evacuação
–         disúria – dor ao urinar
–         e mais raramente , decorrentes do encarceramento do útero na pequena pelve. 
Sabe-se atualmente que a correlação do útero retrovertido com a dificuldade de engravidar é devida a maior suscetibilidade de endometriose nestas mulheres. O útero retrovertido dificultaria o escoamento da menstruação pelo orifício do colo e aumentaria o risco de refluir pelas trompas uterinas levando a implantação de focos do endométrio na cavidade abdominal ( menstruação retrógada ).
Posições que facilitam a fecundação

Deitada de costas

De joelhos, por trás (posição de 4)
De lado
Enfim, posições em que o parceiro fique por trás.
Após a relação permanecer deitada de bruços por alguns minutos. Pode parecer bobagem, mas ajuda bastante.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Eliane Amábile do Amaral
Médica Ginecologista – CRM 12909

Licença Creative Commons
O trabalho Blog Mãe à Flor da Pele de Tatiana da Costa foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.
Com base no trabalho disponível em http://www.maeaflordapele.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em http://www.maeaflordapele.com.
Instagram

1 Comentário

Deixe uma resposta