Endométrio Espessado | Hiperplasia endometrial o que é?

O endométrio,  revestimento interno do útero, pode variar de espessura conforme a fase do ciclo e a idade da mulher. Outra questão referente a espessura do endométrio é o estágio reprodutivo e ponto específico do seu ciclo menstrual. Um endométrio grosso, endométrio espessado ou endométrio espesso pode ou não ser um achado normal, dependendo de vários fatores. Para avaliar o espessamento do endométrio, podem ser utilizadas imagens de ultrassom e ressonância magnética.

Espessura normal do endométrio no ciclo menstrual

O endométrio normalmente muda de espessura e aparência ao longo do seu ciclo menstrual. Essas mudanças estão associadas às mudanças hormonais que ocorrem durante o ciclo.

No início do ciclo menstrual, o estrogênio, que é produzido pelos ovários, faz com que o revestimento uterino cresça para preparar o útero para a possível gravidez.

Até o dia da ovulação um endométrio com espessura normal pode variar entre 6mm e 11 ou 12 mm. Quando o endométrio apresenta espessura muito acima, acende-se o sinal amarelo e se o sintoma persistir deve-se iniciar uma investigação a princípio hormonal averiguando os níveis de estrogênio e progesterona.

A certa altura do ciclo, o ovário libera um óvulo maduro. Após a ovulação, outro hormônio (progesterona) começa a aumentar para preparar o endométrio para implantação de óvulos fecundados. No entanto, se a implantação  não ocorre, os níveis hormonais diminuem, provocando a menstruação, que é caracterizada pelo desabamento do endométrio. Uma vez concluído, um novo ciclo se inicia.

O que causa o endométrio espessado anormal?

Na maioria dos casos em mulheres em idade reprodutiva, o endométrio espessado está relacionado a altos níveis de estrogênio e ou baixos níveis de progesterona.

O espessamento do endométrio não é cancerígeno (benigno) para a grande maioria das mulheres em perimenopausa (anos que antecedem a menopausa). Além das mudanças normais associadas ao ciclo menstrual, as alterações hormonais durante a fase perimenopausa também podem causar endométrio grosso ou endométrio espessado.

Distúrbios crônicos como obesidade, diabetes ou SOP (síndrome do ovário policístico) também podem estar associados ao endométrio espesso. A hiperplasia endometrial também pode estar associada ao câncer de útero.

Sintomas de hiperplasia endometrial

Os sintomas de endométrio espessado incluem alterações incomuns no comprimento dos períodos menstruais, fluxo menstrual mais pesado, sangramento ou escape entre os ciclos ou sangramento pós-menopausa. Anemia  também pode ocorrer. Secura vaginal, taquicardia, dor pélvica, mudanças repentinas de humor e aumento de pelos pode ser bem frequente.

Os fatores de risco associados ao espessamento do endométrio incluem:

  • Idade> 35 anos
  • Fatores raciais: as mulheres brancas são mais propensas a serem afetadas
  • As mulheres que nunca estiveram grávidas são mais propensas a ter endometrio espesso
  • Alcançar a menopausa em uma idade avançada aumenta seu risco.
  • Menarca precoce (primeira menstruação)normalmente antes dos 10 anos.
  • A obesidade geralmente está associada ao endométrio espesso.
  • Condições médicas como diabetes, doença da vesícula biliar, doença da tireoide ou síndrome dos ovários policísticos
  • O tabagismo aumenta o risco.
  • História familiar de câncer de utero, câncer de ovário ou câncer de cólon

 

Endométrio espessado pode ser câncer?

No pós menopausa, caso a hiperplasia endometrial seja diagnosticada, é preciso uma avaliação adicional para se certificar de que não existe risco de câncer de endométrio.

O espessamento do endométrio geralmente reflete a quantidade de estrogênio que pode ser devido à terapia de reposição hormonal ou à ingestão de drogas contra câncer de mama, tamoxifeno ou produção contínua de estrogênio resultante da obesidade ou de descontrole hormonal. Uma causa rara é o tumor do ovário, que pode estar produzindo excesso de estrogênio.

O  endométrio grosso pode causar sangramento após a menopausa, mas mesmo sem sangramento, a possibilidade de câncer de endométrio não pode ser descartada. A confirmação pode ser feita com biópsia endometrial. A espessura do endométrio deve ser avaliada em conjunto com a morfologia endometrial, bem como fatores de risco de malignidade quando se considera amostragem endometrial.

Diagnóstico de endométrio espesso

Uma avaliação através de ultrassom do útero onde a avaliação do endométrio seja feita pode ser usada como ferramenta de triagem. Durante o exame pélvico, a biópsia do endométrio pode ser realizada após uma curetagem. A histeroscopia também pode ser realizada para encontrar áreas anormais no endométrio.

O endométrio anormalmente grosso pode ocorrer por várias razões, que podem ou não estar relacionadas à gravidez.

Valores iguais ou acima de 15 mm de espessura podem indicar hiperplasia endometrial (endométrio espessado)

Causas relacionadas à gravidez

Gravidez inicial  (<5 semanas)

Gravidez ectópica

Coágulo de sangue intra-uterino

Gravidez molar

Parto recente

Endometriose

Causas relacionadas à não gravidez

Câncer do endométrio
Hiperplasia endometrial
Pólipo endometrial
Alterações relacionadas ao tamoxifeno
Terapia de reposição hormonal
Tumores ovarianos

Como tratar e prevenir o endométrio espesso

Na maioria dos casos, o tratamento da hiperplasia endometrial envolve a remoção do tecido uterino através da curetagem.

As mulheres pós-menopáusicas que estão tomando hormônios de reposição causando o espessamento endometrial recorrente devem discutir com suas opções de ginecologistas que incluem o complemento de sua terapia com progesterona ou terapia de parada.

As mulheres pré-menopáusicas que sofrem de endométrio engrossado podem tomar anticoncepcionais orais ou progesterona conforme prescrito para diluir o revestimento endometrial.

A remoção cirúrgica do útero (histerectomia) e outros órgãos reprodutivos podem ser aconselhados para algumas mulheres, particularmente as que são pós-menopáusicas ou mulheres que não estão planejando ter filhos. Isso reduzirá o risco de câncer quando sua condição não responder à terapia com progesterona.

O endométrio grosso também pode ser tratado com progestina oral ou injetável. Também pode ser usado como um creme vaginal em um dispositivo intra-uterino. No entanto, o tratamento com progestágenos pode causar sangramento vaginal semelhante ao sangramento menstrual.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa

Licença Creative Commons
O trabalho Blog Mãe à Flor da Pele de Tatiana da Costa foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.
Com base no trabalho disponível em http://www.maeaflordapele.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em http://www.maeaflordapele.com.
Instagram

Be the first to comment

Deixe uma resposta