Meu marido não quer fazer o espermograma

meu marido não quer fazer o espermograma

Muitos relatos se espalham pelos fóruns de tentantes e páginas do facebook sobre os homens que se recusam a fazer o espermograma. Meu marido não quer fazer o espermograma, gritam em corro mulheres que buscam ansiosamente por uma gravidez e se percebem barradas pela negativa de seus parceiros diante da solicitação do espermograma.

Mulheres passam por investigações invasivas

Assim como a gravidez e o parto, as mulheres sofrem a maior parte do desgaste físico durante o tratamento de fertilidade. Passam por situações um tanto quanto desgastantes com certa frequência. Se desgastam desde injeções de hormônios para estimular a ovulação, até exames e cirurgias invasivas em busca de resultados e diagnósticos que esclareçam a falta de sucesso. O trabalho do homem durante todo esse processo? Ejacular num copo estéril.

Claro, não podemos generalizar, isso seria injusto.  Pesquisas recentes mostram que a infertilidade  por fator masculino é  responsável por até  40% dos problemas de  infertilidade, e alguns homens precisam passar por procedimentos incômodos como punção testicular (TESE) (remoção cirúrgica de espermatozoides) e cirurgia de varicocele (que corrige os vasos sanguíneos no escroto). Mas para a maioria dos casais, quem se debate com a infertilidade, ou em busca de respostas, é a mulher. O   custo emocional de tudo isso no entanto, pode ser dividido entre o casal.

Os homens normalmente sofrem de uma forma diferente. Mais racionais, fechados e talvez receosos, podem em algumas situações se tornar um grande obstáculo na busca por respostas.

E as mulheres enquanto isso continuam a se perguntar  Porque Meu marido não quer fazer o espermograma?

Porque alguns homens se recusam a fazer o espermograma?

Então, o que acontece quando os homens se recusam a fazer sua parte, mesmo que seja aparentemente simples? Por que eles se recusam a fazer o espermograma?

Algumas mulheres descobrem da maneira mais difícil. Embora as tentativas na maioria dos casos aconteça há alguns anos, nem sempre as investigações começam junto com as tentativas.

A maioria dos médicos pede até 1 ano de tentativas frustradas para iniciar uma investigação mais detalhada e efetiva.

A verdade é que os homens são muito mais relutantes em investigar a infertilidade do que as mulheres, e há um grupo de homens que simplesmente não querem fazer parte do processo.

Os homens infelizmente carregam o peso do machismo de nossa sociedade. Se um homem não pode procriar, isso pode significar que ele é menos homem, menos masculino, menos viril. Para as mulheres isso é uma grande bobagem, no entanto é algo que assombra a mente masculina. Se alguém souber? E se ele não poder engravidar sua parceira?

O valor e a masculinidade de um homem não estão no número e nem qualidade de seus espermatozoides. Sua fertilidade é apenas uma pequena parcela que o compõe enquanto espécie humana do sexo masculino.

Por essa e por outras razões que até a própria razão desconhece, homens de todas as partes do mundo, trabalham duro se negando a colaborar com a investigação de infertilidade.

Isso não quer dizer que paternidade não seja um sonho. Mas sim, encarar a realidade de um problema de reprodução pode ser demais para o sexo forte.

O constrangimento do espermograma laboratorial

Embora os homens tomem conhecimento sobre seu corpo muito mais cedo e com até maior frequência do que as mulheres, ejacular num potinho pode ser um desafio e tanto.

O constrangimento de ter sua “masculinidade” investigada, medida e carimbada é algo limitante demais.

Ter todos aqueles olhos em sua direção, olhos que sabem o que acontece dentro daquela salinha, é apavorante para alguns homens. Ter a privacidade e até a vida exposta assim, é torturante para muitos. Isso por si só pode explicar  porque (seu), meu marido não quer fazer o espermograma.

Mas se ir até um laboratório e permitir que muitos saibam se existe ou não algum problema com a fertilidade é o grande empecilho para que os homens colaborem na investigação do casal, um espermograma caseiro pode ser a solução.

Espermograma Caseiro – SwimCount

Swimcount é o primeiro espermograma caseiro a chegar no Brasil que mede mais do que a quantidade dos espermatozoides. Além da quantidade, mede ainda a progressão e morfologia dos espermatozoides. Um resultado favorável indica que não só existem muitos espermatozoides, mas espermatozoides aptos a fecundar o óvulo.  A quantidade de forma isolada pode não dizer muita coisa. Para que um homem seja considerado fértil, a OMS (Organização Mundial da Saúde) determina que sejam necessários um número igual ou maior a 5 milhões de espermatozoides progressivos.

Espermatozoides precisam nadar em linha reta e rápido para estarem aptos para a fecundação. Alguns não se movem, ou se movimentam em círculos. Esses espermatozoides não conseguem fecundar o óvulo, mas podem aparecer como número de espermatozoides vivos.

Os demais espermogramas caseiros, mostram hoje, apenas e tão somente o número total de espermatozoides vivos. Mas de que adianta estarem vivos e não saberem se movimentar de forma

espermograma caseiro
Espermograma caseiro

adequada?

Swimcount foi desenvolvido na Dinamarca especialmente para homens com dificuldades para realizarem o exame em laboratório.

Com fiabilidade de 95%, traz no conforto de seu lar, de forma discreta, segura e em apenas 30 minutos, o resultado que trazer a tranquilidade que os casais precisam.

As esposas podem adquirir o espermograma caseiro para seus parceiros como forma de incentivo, deixando claro sua responsabilidade sem negligenciar a privacidade e conforto que seu ele merece e precisa. SwimCount pode acabar com a afirmação meu marido não quer fazer o espermograma.

Meu marido não quer fazer o espermograma

A gravidez não é unilateral, é um esporte de equipe. É preciso uma dupla sintonizada e um profissional disposto a ajudar para que os resultados sejam favoráveis.

É precisam que os homens saibam que o medo, na maioria das vezes é infundado. A grande maioria das dificuldades são contornáveis e alguns poucos meses de tratamento com medicamentos e vitaminas são suficientes para que a concepção seja possível.

Para aqueles com resultados mais sérios, existem técnicas de reprodução que podem ajudar a alcançar o resultado esperado.

O fato é que os homens devem trabalhar para deixar de lado o ego e fazer exatamente o que é correto. A parte que cabe ao homem na investigação de infertilidade, inicialmente é basicamente a coleta do sêmen para análise. Enquanto isso, as mulheres passam por procedimentos altamente invasivos como histerossalpingografias, histeroscopia, Papanicolau entre outros. Se uma mulher vai passar por todo esse trabalho, o homem deve ter consciência e fazer a parte que lhe cabe. Um sonho sonhado a dois é factível quando ambos lutam pelo resultado. Meu marido não quer fazer o espermograma?! A solução pode ser mais simples do que se imagina.

Autora: Tatiana da Costa

Consultora de Fertilidade e Naturopata.

Deixe uma resposta